domingo, 21 de agosto de 2011

ENLEIO

Quero uma canção
Para ninar as estrelas.
Que seja longínqua,
Pura,
Quase silente
Cuja letra balbucie
Palavras indecifráveis aos homens.

Uma canção calma
De poeira cósmica,
Envolta por partículas de esperança.
Donde o Universo realimente o sonho,
Donde o homem descrente reencontre a fé
E donde a natureza fria se enriqueça
Da seiva de uma quase divina luz.

Um comentário:

poemasemfoco disse...

Cara Nara

Também quero essa canção tão cheia de luz que retroalimente a flor; a cada manhã. Muito belo! Forte abraço!